segunda-feira, 14 de dezembro de 2015


GUILLERMO, O ACTOR FARIÑAS

Não é meu costume dar grande relevo aos auto-denominados opositores do regime cubano, não só porque eles não passam de grupúsculos sem qualquer expressão, mas também porque não precisam que eu os promova e que os ajude a aumentarem os seus proveitos financeiros, que recebem de uma potência estrangeira como contrapartida às provocações e mentiras que vão espalhando, deturpando factos e confabulando sobre os mais diversos aspectos da realidade que se vive em Cuba.

Mas desta vez tenho de me referir à recente passagem por Lisboa do psicólogo cubano Guillermo Fariñas, que veio ao nosso país a convite do Gabinete Português do Parlamento Europeu, o qual promoveu uma conferência a que tive a oportunidade de assistir, com a finalidade de lhe colocar algumas questões, já que o seu longo curriculum de contradições e inverdades é tão notório, que qualquer pessoa com um mínimo de inteligência percebe a fraude personalizada por Fariñas, que é mais conhecido pelas 23 hipotéticas greves de fome na sua residência, uma delas, segundo consta, com a duração de 134 dias. Mas alguém acredita que um ser humano pode sobreviver todos estes dias sem comer nem beber?

Também os biógrafos de Fariñas querem fazer crer que este esteve preso mais de 11 anos por questões de ordem política, quando ele apenas esteve privado da liberdade por ser reincidente em acções violentas, acabando por ter a sua primeira condenação de 3 anos de pena suspensa em 1995, como resultado de uma agressão a uma colega de trabalho, voltando aos mesmos métodos “pacíficos” em 2002, agredindo de tal modo um vizinho idoso que este teve de ser hospitalizado e sujeito a várias intervenções cirúrgicas, sendo desta vez Fariñas condenado a uma prisão efectiva de 5 anos e 10 meses, acabando por cumprir apenas pouco mais de 1 ano por razões humanitárias, resultantes do seu débil estado de saúde, tendo sobrevivido graças aos cuidados médicos de que gratuitamente beneficiou e que na altura do seu completo restabelecimento expressou gratidão e reconhecimento ao sistema de saúde que salvou a sua vida.

Claro está que Fariñas, confrontado com estas questões, manteve o seu perfil de vítima sofredora de perseguições, não desmanchando a personagem teatral que lhe foi construída, respondendo parcialmente de forma ficcionada às perguntas concretas que lhe coloquei, levando os assuntos para estórias sem qualquer credibilidade, mas que podem induzir os mais incautos a acreditarem naquilo que diz.

De referir que não é por mero acaso que Fariñas saiu do seu conforto junto da comunidade mafiosa de Miami, em especial do seu amigo Luís Posada Carriles, terrorista responsável por variados atentados violentos dentro e fora de Cuba, com destaque para as bombas colocadas no voo da Cubana de Aviación proveniente de Barbados e em que morreram as 73 pessoas que seguiam a bordo, já que esta gentalha está contra as conversações entre as autoridades cubanas e norte-americanas, bem como com a União Europeia, enviando a vários países o seu assalariado Fariñas, para, vestido de cordeiro da paz, despejar um rol de mentiras sobre o sistema do país que o alimentou, tratou e educou gratuitamente graças à Revolução, esquecendo-se que pouco antes de ele nascer as pessoas com a sua cor de pele eram segregadas, escravizadas e exploradas, sem terem quaisquer direitos e muito menos licenciaturas em psicologia.

Embora alguns órgãos de comunicação social tenham noticiado a sua visita a Portugal, estou certo que os objectivos que o trouxeram a Lisboa saíram defraudados, pois não lograram qualquer apoio oficial nem despertaram qualquer interesse na comunidade cubana residente, que sempre deu sinais de patriotismo, contribuindo com o seu trabalho para o progresso do país em que vivem e que aspiram a regressar logo que possível à sua pátria para usufruírem de uma vida feliz e tranquila.


(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)


sexta-feira, 11 de dezembro de 2015


PEQUENOS LUXOS

Aproxima-se o fim do ano e já se passaram quase 12 meses após as comunicações em simultâneo dos presidentes Raul Castro e Barak Obama no dia 17 de Dezembro de 2014, das quais resultou como mais importante a incondicional e imediata libertação dos últimos 3 Heróis cubanos injustamente presos nos EUA que finalmente puderam regressar à Pátria e o início das rondas de conversações que já deram alguns resultados práticos mas que ainda falta muito para um restabelecimento completo das relações entre os dois países.

Como sonhar não custa, tenhamos esperança que brevemente cesse o bloqueio económico, comercial e financeiro imposto a Cuba pelos sucessivos governos dos EUA desde há mais de 50 anos, que a base militar norte-americana de Guantánamo seja desactivada e que o seu território ocupado há mais de 100 anos seja devolvido aos seus legítimos proprietários, que a Lei de Ajuste Cubano incentivadora da emigração ilegal seja revogada, que o dinheiro roubado do Banco Nacional de Cuba e todos os prejuízos directos e indirectos provocados ao povo cubano possam ser compensados e que haja o indispensável respeito pela soberania e independência de um país que apenas deseja a paz e o progresso dos seus cidadão.

Há um ano eu escrevia que “há que estar sempre alerta e nunca baixar a guarda porque os inimigos da Revolução ainda espreitam nalgumas esquinas, mascarados de cordeiros mas de dentes bem afiados para poderem caçar alguma presa distraída”. Hoje, mais do que nunca há que estar atentos, pois veja-se o que se passou com as recentes eleições na Argentina e na Venezuela, onde a propaganda transmitida através de bem orquestradas campanhas mediáticas deu os resultados que se conhecem.

É claro que Cuba tem outras particularidades e que a Revolução continua bem viva, não sendo tão fácil enganar um povo que tem memória e que ainda se lembra bem da miséria e da exploração em que vivia antes de 1959, podendo hoje orgulhar-se do seu passado recente pelos sacrifícios que teve de passar – e que ainda passa – mas com a certeza de um futuro melhor e mais próspero.

Com o incremento constante da iniciativa privada e a instalação de algumas empresas estrangeiras, muitas famílias cubanas têm hoje acesso a bens de consumo que antes por razões económicas lhes estavam vedados, passando muito justamente a ter possibilidades de comerem em bons restaurantes e deixando por exemplo de frequentar as instalações do chamado campismo popular para se alojarem em resortes de cinco estrelas no regime de tudo incluído de Varadero ou de qualquer outra estância balnear que no passado apenas estava acessível ao mercado externo.

Com isto não se pense que tudo está bem e que não são necessárias muitas mais reformas, pois enquanto estas “facilidades” não estiverem acessíveis a todo o povo, a Revolução não poderá abrandar nem estará cumprida. Mas há que dar tempo ao tempo, pois passar de uma situação em que se viveu no “período especial” para o oposto não é tarefa fácil e as prioridades nos aspectos sociais para os melhorar e consolidar são muito mais importantes do que os pequenos “luxos” a que todos aspiram e a que legitimamente têm direito.

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)



quinta-feira, 26 de novembro de 2015


TUBARÕES AMESTRADOS

Uma das últimas invenções de alguns iluminados de Miami difundida por uma rádio local, é que Cuba estava a treinar esfomeados tubarões para atacarem os desprevenidos banhistas das praias da Florida, depois de terem sido ensinados num centro construído para o efeito por técnicos cubanos especialistas em assuntos marinhos, situado a sul da província de Havana.

Se isto não fosse tão ridículo, levar-me-ia a imaginar outras opções para incomodar os pacíficos habitantes ou visitantes daquele Estado ao sul dos EUA, deixando aqui algumas ideias, que a serem aproveitadas, não cobro os merecidos direitos de autor.

Já que é tão fácil treinar tubarões, poder-se-ia promover um espectáculo frente ao Malecón Habanero em conjunto com alguns golfinhos trazidos do Aquário Nacional, antes dos escualidos assassinos rumarem ao norte, porque nunca se sabe se eles regressam ou se aproveitam a Lei de Ajuste Cubano e são recebidos com pompa e circunstância pelas autoridades locais, integrando-os na sociedade americana.

Imagino também como se poderia ampliar o criadeiro de crocodilos em Guamá, acelerando a sua reprodução para depois os treinar e enviar conjuntamente com os tubarões. Já agora e porque bem perto se situa a Playa Girón, que tal aproveitar os milhares de caranguejos que ao final da tarde cruzam aquelas estradas, constituindo um potente exército de tenazes bem afiadas?

E as lagostas? Alguém pode imaginar o que seria elas chegarem sorrateiramente às praias de Miami e morderem alguma parte mais sensível dos pobres banhistas?

E como em Cuba existem muitos lagos e lagoas naturais, também se poderiam importar algumas piranhas do Amazonas para que engrossassem a expedição que já contempla neste momento tubarões, crocodilos, caranguejos e lagostas.

Imagino também como pode ser possível treinar mosquitos (melgas), principalmente aqueles que não me deixam em paz quando vou a Cuba, deslocando-se lá mais para norte para espetar o seu ferrão (a que sou alérgico) aos iluminados que através da comunicação social utilizam todo o tipo de mentiras para denegrirem a Revolução e o Estado Cubano.

Que se cuidem os donos das industrias de armamento. Ou começam a criar estas espécies e a contratar treinadores, ou o seu futuro será negro e de falência, já que os combates passarão a ser diferentes e só ganharão aqueles que melhor “performance” apresentarem.

Realmente é preciso ter muita imaginação para se lembrarem dos coitados dos tubarões, como se não lhes chegassem os outros tubarões que não se alimentam de carne humana mas sim da exploração dos emigrantes cubanos que chegam a Miami e têm de aceitar qualquer tipo trabalho para poderem sobreviver, ao contrário daquilo que imaginavam e do que lhes foi incutido pela propaganda mafiosa aí bem instalada e a enriquecer dia após dia à custa dos novos métodos de escravidão.

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)



quinta-feira, 19 de novembro de 2015


EMIGRANTES RETIDOS

Nos últimos dias surgiu uma situação melindrosa, quando mais de mil cidadãos cubanos foram chegando à Costa Rica a partir de outros países da região, em especial do Equador, com a intenção de chegarem aos Estados Unidos da América e foram barrados na fronteira com a Nicarágua que não permite a sua passagem por este país.


Estas pessoas saíram de Cuba legalmente cumprindo todos os requisitos estabelecidos pelos regulamentos migratórios cubanos e tornaram-se vítimas de traficantes e de organizações criminosas que sem um mínimo de escrúpulos controlam a sua passagem pelos vários países, extorquindo-lhes o pouco que têm e lucrando com o desespero de quem ingenuamente acreditou em facilidades.

As autoridades cubanas têm mantido o contacto constante com os governos dos países envolvidos, com o objectivo de encontrar uma solução rápida e adequada, que tenha em consideração o bem-estar destes cidadãos.

Através de comunicado, o Ministério de Relações Exteriores de Cuba enfatiza que estas pessoas são vítimas da politização da questão da emigração por parte do Governo dos Estados Unidos com a Lei de Ajuste Cubano e, em particular, a aplicação da chamada política de "pés secos - pés molhados” a qual confere aos cubanos um tratamento diferenciado e único em todo o mundo, ao admiti-los de forma imediata e automática, sem importar as vias e meios utilizados, principalmente se chegarem por meios ilegais ao seu território.

Esta política tem estimulado a emigração ilegal de Cuba para os Estados Unidos e constitui uma violação da letra e do espírito dos acordos migratórios vigentes, em que ambos os países assumiram a obrigação de garantir uma migração legal, segura e ordenada.

Estes emigrantes, que se sacrificaram ao ponto de terem de fazer milhares de quilómetros atravessando vários países, acreditam que a Lei de Ajuste Cubano tem os dias contados e por isso querem chegar aos EUA antes que se acabem os privilégios e passem a ser tratados como quaisquer outros que cheguem indocumentados.

O comunicado afirma ainda que o Governo dos EUA continua a manter em vigor o chamado "Programa especial para profissionais médicos cubanos" aprovado em 2006 pelo presidente George W. Bush, com a finalidade de incentivar os médicos e outros profissionais cubanos de saúde a abandonarem as suas missões oficiais para emigrarem para os Estados Unidos.

Esta é uma prática condenável que visa prejudicar os programas de cooperação de Cuba com outros países, privando-os dos recursos humanos de que tanto necessitam, numa acção incompatível com o actual contexto de conversações bilaterais, impedindo a normalização das relações migratórias entre Cuba e os EUA, assim como com outros países da região.

Todos estes cidadãos que livremente abandonaram o país legalmente, podem a todo o momento também livremente regressar, se assim o desejarem, pois como disse Marti, a Pátria pertence a todos.


(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)


sexta-feira, 23 de outubro de 2015


CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL DA UCI

Como parte do processo das transformações sociais e educacionais em que Cuba tem estado envolvida nos últimos anos com vista a elevar o nível cultural da população e a sua qualidade de vida, surge em Setembro de 2002, por iniciativa do Presidente Fidel Castro, a Universidade de Ciências Informáticas, contando no seu primeiro ano de vida académica com mais de 2000 estudantes e cerca de 300 professores, estendendo-se hoje por 14 Centros de Desenvolvimento de Software que acabam no seu conjunto de ser acreditados como Produtores Internacionais, após um rigoroso processo de avaliação.

Fidel, com a sua extraordinária visão do futuro e antevendo as necessidades que o país viria a ter sofrendo de um bloqueio económico, comercial e financeiro, recomendou que a nova Universidade fosse concebida como um Centro de Investigação de alcance nacional e dando especial atenção a tarefas concretas no projecto de informatização do país, com especial ênfase para a produção de software.

Ao mesmo tempo que se desenvolviam as actividades académicas foram sendo ampliadas as suas instalações de modo a criar melhores condições de trabalho, transformando-a numa Cidade Digital Avançada com capacidade para mais de 20.000 pessoas, formando o capital humano especializado na investigação e desenvolvimento de programas para a sociedade cubana e para a cooperação com outras nações, como contributo para um mundo melhor, necessário e possível.

A Certificação Internacional agora conquistada, representa o reconhecimento do trabalho de uma vasta e dedicada equipa que já formou mais de 13.500 jovens engenheiros que se encontram a trabalhar em vários pontos do país e até alguns no estrangeiro, sendo reconhecidos como excelentes profissionais capacitados para os mais variados desafios desta actividade em constante evolução.

Hoje a UCI também se dedica à produção e comercialização de software, inserindo-se paulatinamente nesta complexa e concorrencial indústria mediante convénios com empresas nacionais e estrangeiras, podendo finalmente exibir o seu Certificado de Qualidade, o qual lhe confere o direito a ombrear com outras instituições congéneres e de igual prestígio, tendo protocolos com mais de 60 Universidades espalhadas por 18 países e fazendo parte de organismos internacionais, como o Centro Latino-americano de Estudos em Informática e a União Internacional de Telecomunicações.

Esta distinção que muito deve orgulhar os cubanos e em especial o seu mentor Fidel Castro, não constitui uma meta mas sim o princípio de um ciclo em que a Universidade de Ciências Informáticas de Cuba partirá para o desenvolvimento de novos projectos, respondendo à política nacional de informatização de todos os serviços e de apoio à população, atendendo ao incremento constante destes meios em locais oficiais e particulares.

Também nesta área científica Cuba está na vanguarda e a UCI, todos os seus colaboradores e estudantes estão de parabéns.

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)


sexta-feira, 9 de outubro de 2015



DELEGAÇÕES OFICIAIS A CUBA

Após o reatar das conversações entre Cuba e os Estados Unidos, muitas têm sido as delegações oficiais dos mais variados países que visitam a Ilha, sendo acompanhadas por missões empresariais que, podendo beneficiar da nova Lei de Investimentos Estrangeiros, procuram oportunidades de negócio nas mais variadas aéreas de actividade.

Semanalmente são recebidos em Havana vários Presidentes, Primeiros-ministros e Ministros que chefiam essas delegações, mantendo conversações ao mais alto nível com o estabelecimento de protocolos de colaboração mútua e de interesse para as duas partes, já que Cuba possui sectores onde o seu desenvolvimento é notável, como por exemplo a biotecnologia e a indústria farmacêutica, entre outros.

É por isso normal sentir-se por toda a cidade um pulsar diferente daquele que é meramente turístico, pois as visitas profissionais que constantemente estão a aumentar, traduzem-se num movimento nunca antes visto.

Brevemente realizar-se-á de 2 a 7 de Novembro a XXXIII Feira Internacional de Havana, o certame de carácter comercial mais importante de Cuba e do Caribe e um dos mais importantes de toda a América Latina, o qual contará com mais de 20.000 m2 de área de exposição e prevendo-se cerca de 4.500 expositores oriundos de 60 países, promovendo os seus produtos não só para o mercado cubano, como também para outros mercados.

Nesta feira multi-sectorial, cujas principais áreas são as matérias-primas, a alimentação, os têxteis, os bens de consumo, os equipamentos, as maquinarias industriais, as novas tecnologias e os serviços, são recebidos anualmente mais de 150.000 visitantes nacionais e estrangeiros, que durante estes dias estabelecem os primeiros contactos comerciais, consolidam ou ampliam negócios já encetados, trocam experiências ou adquirem novas relações empresariais para futuros negócios.

Embora a FIHAV sempre tenha despertado interesse aos empresários norte-americanos, estes continuam impedidos pelo seu governo de poderem livremente estabelecer contratos com empresas cubanas devido ao injusto bloqueio comercial, económico e financeiro, perdendo assim as oportunidades que se apresentam e que poderiam beneficiar os dois países.

Agora, mais do que nunca, depois do restabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e os EUA, urge pôr fim ao tenebroso bloqueio que apenas tem servido para prejudicar as populações, nunca tendo alcançado os objectivos políticos para que foi criado.

Cuba tem sobrevivido com toda a dignidade e continuará o seu desenvolvimento com ou sem bloqueio, mas é importante que o mesmo cesse, respeitando as deliberações da Assembleia-geral das Nações Unidas e a vontade já expressa pelo governo dos EUA.

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)


quinta-feira, 24 de setembro de 2015


FRONTALIDADE SIM, COBARDIA NÃO!

No rescaldo da visita Papal a Cuba pode concluir-se, como se esperava, que a mesma constituiu um enorme êxito, não só pela forte adesão popular, mas também pelos vários discursos do Sumo Pontífice que pela sua origem latino-americana conhece bem os ensinamentos de Bolívar e de Marti, sabendo tocar o coração dos cubanos e despertar as suas consciências para um mundo eivado de desigualdades, de violência e de injustiça.

As palavras do Papa Francisco dirigidas aos jovens, com total compreensão pelas suas ambições e irreverência, acabaram num apelo à sua união e sentido patriótico, constituindo o corolário da sua longa jornada por Havana. Poder-se-á até afirmar que depois de Che ter sido adoptado por Cuba, este é o segundo Argentino que também poderá usufruir desse estatuto não só pela sua simplicidade nos actos, mas também pela sua grandeza de pensamento.

Houve no entanto quem mais uma vez tivesse desejado misturar a política com a fé, aproveitando esta visita para ao serviço de mafiosos e de gente sem escrúpulos, fazer de uma festa religiosa palco para actividades provocatórias, aproveitando-se da imensa cobertura dos meios de comunicação internacionais.

Muito raramente escrevo sobre os pseudo-dissidentes porque já basta a publicidade que têm através de alguns meios que não perdem a mínima oportunidade para criticar Cuba. Mas por vezes há que abordar o assunto a fim de evitar que a mentira por tantas vezes repetida se transforme em verdade.

Em qualquer parte do mundo, incluindo Portugal, qualquer cidadão que realize acções subversivas contra a segurança interna é detido, julgado e condenado de acordo com o grau de crime praticado, agravando a sua situação se receber dinheiro de uma potência estrangeira para o fazer.

Em Cuba, por exemplo, muitos dos condenados por crimes comuns passam rapidamente a “presos políticos” e opositores ao regime, já que através da USAID (tentáculo encoberto da CIA) eles ou as suas famílias começam a receber alguns dólares como pagamento pela sua repentina e abnegada “dissidência” até ao momento em que, não sendo considerados importantes ou descobrindo que os seus auto-proclamados “líderes” se apropriam de parte ou de todo o dinheiro que lhes era dirigido, mudam outra vez e passam a arrependidos enganados.

Quem não conhece o povo cubano julga erradamente que tudo é aceite sem qualquer contestação, quando existem mais de 11 milhões de críticos sobre tudo e sobre todos, com ou sem razão. Mas uma coisa é criticar, outra é praticar crimes contra a segurança de todos os cidadãos e para isso também existem mais de 11 milhões para defenderem a independência e soberania nacional.

Experimentem assistir a uma Assembleia do Poder Popular e vão ver o que é discutir acaloradamente sobre todos os assuntos que afectem a comunidade ou sobre temas de nível provincial ou mesmo nacional. Fidel sempre deu esse exemplo e sempre gostou de frontalidade, não de cobardes.

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)



quinta-feira, 17 de setembro de 2015


PAPA FRANCISCO EM CUBA

A propósito da próxima visita Papal e ao contrário do que muitas vezes é apregoado, em Cuba existe uma ampla liberdade religiosa que se expressa tanto em documentos de força legal, como na existência de um diversificado universo religioso em que os cubanos praticam e organizam as suas crenças através de variadas instituições e organizações religiosas, considerando o Vaticano que mais de 60% da população é católica.

A Constituição da República de Cuba, aprovada por plebiscito popular em 1976 com os votos favoráveis de 97,7% do eleitorado, estabelece em cinco dos seus artigos a separação entre a Igreja e o Estado, garantindo a igualdade de todas as manifestações religiosas perante a Lei e o direito de todos os cidadãos a professar o culto religioso da sua preferência, a mudar a sua crença ou até a não ter nenhuma.

O Estado não subvenciona nenhuma instituição religiosa nem interfere no seu funcionamento interno, sendo as mesmas as proprietárias e administradoras dos seus bens móveis e imóveis, incluindo os templos e outros edifícios.

A República de Cuba e o Estado do Vaticano mantêm relações diplomáticas ao nível de Embaixada e de Nunciatura Apostólica desde 1935 sem qualquer interrupção, possuindo a Igreja Católica em Cuba um Cardeal e quinze Bispos, distribuídos pelo dobro das dioceses que existiam antes do triunfo da Revolução, o que revela bem a total independência e liberdade com que se tem desenvolvido por todo o país com mais de 600 templos em pleno funcionamento, de onde sobressaem, entre outros, a Catedral de Havana, a Catedral de Santiago de Cuba e o Santuário Nacional de “Nuestra Señora de la Caridad del Cobre” onde se venera a imagem mariana encontrada em 1612 por três escravos que procuravam sal na Baía de Nipe, a maior de Cuba, situada na costa norte da região oriental da Ilha.

Tal como os seus antecessores, o Papa Francisco iniciará a sua visita pela cidade de Havana onde presidirá à missa a celebrar na Praça da Revolução que estará repleta de crentes e não crentes para o homenagear e ouvir as suas palavras. Ainda em Havana, o Papa terá um encontro privado com o clero, com o presidente Raul Castro e muito provavelmente com o líder histórico da Revolução Fidel Castro.

Seguirá depois para Holguin, cidade que pela primeira vez recebe um Papa e terminará esta peregrinação após assinalar o 100.º aniversário da declaração da Virgem da Caridade do Cobre como Padroeira de Cuba, despedindo-se na cidade de Santiago de Cuba de onde viajará para os EUA.

Pelo importante papel que o Papa Francisco teve no restabelecimento das relações entre Cuba e os EUA, espera-se que o Sumo Pontífice possa sensibilizar as autoridades norte-americanas para que ponham fim ao bloqueio económico, comercial e financeiro, o qual é rejeitado pela esmagadora maioria da comunidade internacional, pelo povo americano e até pelo próprio presidente Obama que o considera obsoleto e injusto por provocar danos de carácter humanitário.

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)




quinta-feira, 3 de setembro de 2015



UM FUTURO MUITO MELHOR

Como tem sido amplamente noticiado, desde o passado dia 17 de Dezembro que as conversações entre os EUA e Cuba vêm sendo cada vez mais aprofundadas com vista à normalização das relações entre os dois países, levando até à abertura das respectivas representações diplomáticas ao nível de embaixada. Mas muito ainda há a percorrer em vários aspectos, pois se um dos principais desideratos era o da libertação incondicional dos Cinco Heróis injustamente presos, não nos podemos esquecer que o bloqueio económico, comercial e financeiro continua a vigorar, pese embora a vontade expressa pelo presidente Obama e por muitas outras importantes figuras do governo e da sociedade americana.

Poucos se lembrarão do início e do motivo que originaram estas hostilidades contra Cuba que remontam ao período imediato que se seguiu ao triunfo da Revolução com acções de sabotagem que tinham por objectivo derrotar aquilo que com tanto sacrifício tinha sido conquistado pelo povo cubano. Como parte da agressão económica e represália pela defesa intransigente de Cuba pela independência e soberania nacional, em 1960 o governo de Eisenhower aprovou a diminuição da quota açucareira de Cuba no mercado dos EUA, sabendo que a produção e exportação desse produto era fundamental para a subsistência da agricultura e da economia do país.

É assim que o governo cubano se vê obrigado em 8 de Agosto de 1960 a expropriar e nacionalizar (com a devida compensação) todas as empresas de propriedade americana que tinham o monopólio em vários sectores, como a electricidade, o gás, os telefones, o petróleo, etc., que estipulavam sem restrições os preços aos consumidores finais, explorando vergonhosamente os verdadeiros donos dos recursos naturais e dos produtos por si produzidos.

Passaram-se entretanto mais de 50 anos e para além dos sacrifícios e dos elevados prejuízos provocados pelo bloqueio a Cuba, o seu principal objectivo, que é político, nunca teve o sucesso pretendido, servindo apenas para tornar a vida mais difícil a todo um povo que quer continuar a ser livre e a decidir os seus destinos.

Mas também se põe a questão da devolução do território cubano de Guantanamo ocupado ilegalmente há mais de um século pelos EUA que aí mantêm um centro de torturas e de violações dos Direitos Humanos, sendo alvo de crítica por grande parte da comunidade internacional por violar todas as Convenções e Tratados sobre a instalação de bases militares estrangeiras sem o consentimento dos Estados soberanos.

Desde 1959 que o governo cubano vem reclamando essa devolução e agora chegou a hora de os EUA demonstrarem que estão fortemente empenhados numa paz duradoura e num bom relacionamento com o país vizinho, iniciando de imediato o seu encerramento e entregando o território aos seus verdadeiros donos.

Mesmo com todas as contrariedades, poucos países se podem orgulhar como Cuba, dos índices sociais alcançados nas áreas da saúde, da educação, da cultura, do desporto e em tantos outros sectores reconhecidos pelas mais insuspeitas organizações internacionais. E isto, sendo inquestionável, só pode augurar um futuro muito melhor.


(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)




quinta-feira, 6 de agosto de 2015


NOVOS VENTOS PARA CUBA

A eventual candidata democrata às próximas eleições presidenciais nos EUA, Hillary Clinton, reafirmou na passada semana em Miami que se deve aproveitar a oportunidade da normalização das relações com Cuba para acabar de vez com o bloqueio económico, financeiro e comercial que vigora há mais de meio século e que fracassou completamente, deixando os EUA isolado numa região em que corre o perigo de perder a sua influência se não mudar de estratégia. Por aqui se constata que a aproximação a Cuba visa apenas os seus interesses políticos e não uma verdadeira vontade de estabelecer um sincero relacionamento entre os dois países.

Muitos amigos me têm questionado sobre as transformações que inevitavelmente se irão operar em Cuba após o levantamento do bloqueio, receando que a influência americana venha a alterar os princípios fundamentais da Revolução e que o país acabe por copiar os piores exemplos de uma sociedade consumista e de enormes desigualdades sociais.

Pelo que conheço de um povo que foi educado numa base de fortes convicções revolucionárias assente em princípios éticos transmitidos ao longo da sua história e consubstanciados pelos mais variados exemplos de actos heróicos, será muito difícil que Cuba deixe de ser o que é, para o bem ou para o mal, de acordo com o entendimento que cada um tenha do país, mas nunca abdicando da sua independência e soberania nacional.

Claro está que com o fim do bloqueio algumas transformações se virão a operar, principalmente no plano económico e comercial, já que Cuba terá mais fácil acesso aos mercados externos sem quaisquer restrições, podendo mais rapidamente modernizar o país e melhorar as condições de vida de todos os cidadãos. Mas não se pense que tudo irá ser fácil e que de um dia para o outro tudo será diferente, pois a recuperação terá de ser segura, cabendo a todos a responsabilidade de contribuir para uma maior eficiência em cada sector produtivo.

Mesmo as novas gerações que não passaram pelo “período especial” estão empenhadas em dar continuidade à Revolução e reconhecem em Fidel o grande timoneiro de um país que soube resistir a todas as vicissitudes, podendo hoje com orgulho olhar com renovadas esperanças para um futuro mais próspero.

Haverá certamente quem discorde de muitas opções que Fidel teve de tomar, mas ninguém pode ficar indiferente a uma figura que marcou significativamente a história das últimas décadas, sendo respeitado e admirado em cada recanto do mundo pela sua cultura, lucidez e antevisão da política internacional que ao longo dos tempos os acontecimentos lhe têm vindo a dar razão.

Fidel é daquelas personalidades que se ama ou se odeia, mas estou certo que a esmagadora maioria dos cubanos o admira e lhe quer muito. Por isso no próximo dia 13 de Agosto, data em que cumprirá 89 anos, será um dia de festa e de grande alegria não só em Cuba como também noutras paragens, onde brindaremos pela sua saúde e desejos de muitos mais anos de vida.

FELICIDADES COMANDANTE!

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)




quinta-feira, 16 de julho de 2015


DIA NACIONAL DE CUBA

No próximo dia 26 de Julho decorrem já 62 anos sobre a tentativa do assalto ao Quartel Moncada em Santiago de Cuba e ao Quartel Carlos Manuel Céspedes em Bayamo, perpetrado por 150 jovens comandados por Fidel Castro, resultando destas acções a morte de 6, assassinados posteriormente pelo regime 55, sobrevivendo 89 dos revolucionários e a prisão de muitos deles, tendo Fidel sido condenado a 15 anos de prisão e deportado com os outros “moncadistas” para a Ilha de Pinos, hoje Ilha da Juventude, acabando encarcerados numa ala do célebre presídio modelo, réplica das cadeias de alta segurança dos EUA.

Pese embora a derrota militar sofrida, este dia acabou por marcar definitivamente o rumo do futuro movimento revolucionário que adoptou a sigla M-26, desenvolvendo-se por todo o país acções de sensibilização e recrutamento de apoiantes que na clandestinidade se preparavam para o momento em que os principais líderes seriam libertados, já que a pressão exercida quer por instituições, quer pelo povo anónimo a isso conduziria inevitavelmente.

Beneficiando de uma amnistia presidencial em 1955, Fidel e alguns dos companheiros exilaram-se no México, dando de imediato início aos preparativos para voltar a Cuba com uma expedição de revolucionários, desembarcando do pequeno iate “granma” em 2 de Dezembro de 1956 na praia “Las Coloradas” e daí seguindo para a “Sierra Maestra” onde permaneceriam dois anos até ao triunfo da Revolução em 1 de Janeiro de 1959.

Se até aí o “Movimento 26 de Julho” tinha desempenhado um extraordinário trabalho na organização política de inspiração Martiana, a partir do início da luta armada passou também à acção militar e ao apoio logístico dos revolucionários que combatiam o exército governamental.

É difícil imaginar qual teria sido o futuro de Cuba se não tivesse existido “moncada” e tudo o que representou para a união e mobilização do povo que desde esse momento mais se consciencializou para a necessidade de derrubar um governo fantoche ao serviço dos grandes interesses americanos, explorador descarado não só dos trabalhadores, como também dos pequenos e médios empresários que eram obrigados a aceitar os ditames monopolistas dos protegidos do sargento golpista promovido a presidente da república.

Assim e em homenagem a todos os “moncadistas” comemora-se nesta data o Dia da Rebeldia Nacional com manifestações patrióticas por todo o país e nas comunidades emigradas espalhadas pelo mundo, nunca esquecendo aqueles que nesse dia deram a sua vida para que hoje Cuba possa ser livre e independente.

Por isso o Colectivo da Associação de Cubanos Residentes em Portugal e a Associação Portuguesa José Marti com a colaboração da Embaixada de Cuba promoverão algumas iniciativas em Lisboa, como forma de homenagear esses combatentes e todos aqueles que se sacrificaram ao longo dos últimos 62 anos para que a Revolução continue bem viva.

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)



quinta-feira, 25 de junho de 2015


CAPITÓLIO NACIONAL

De acordo com Eusébio Leal, Historiador da Cidade de Havana, o monumental edifício do Capitólio Nacional que há mais de dois anos foi encerrado ao público a fim de ser submetido a obras de restauro, voltará a abrir as suas portas já em Julho com visitas guiadas por um arquitecto e um restaurador, coordenadas pelo seu Gabinete, que irão mostrar os trabalhos que ainda decorrem no interior deste lugar tão emblemático para Cuba e de grande valor patrimonial.

Com um custo total de quase 17 milhões de pesos (equivalente ao dólar americano) o Capitólio de Havana foi inaugurado em 1929 pelo então presidente Gerardo Machado e ocupa uma área superior a 43 mil metros quadrados (13.484 correspondem ao edifício), sendo considerado uma réplica quase perfeita do que se encontra em Washington. Até ao triunfo da Revolução albergou o Senado e a Câmara de Representantes, passando depois a Academia das Ciências e prevendo-se que no futuro seja a sede da Assembleia Nacional do Poder Popular.

O colossal edifício contém inúmeros murais e elementos escultóricos, destacando-se a figura em bronze com quase 15 metros e um peso aproximados de 30 toneladas que representa a República, considerada uma das maiores estátuas do mundo debaixo de teto, encontrando-se situada sob a cúpula que atinge os 92 metros de altura e os 32 metros de diâmetro, sendo visível de vários pontos da cidade.

Na sua construção e decoração original foram usados os materiais mais nobres para a época, mesmo atravessando-se a crise económica internacional dos anos vinte, destacando-se, entre outros, a variedade de 58 mármores de origem nacional e internacional, as ferragens em bronze, as madeiras preciosas e os vitrais.

Uma outra particularidade do Capitólio Nacional é ser considerado o quilómetro zero em relação a todas as estradas do país, representado inicialmente esse ponto, sob a cúpula, por um diamante de 25 quilates que pertenceu ao último Czar Russo Nicolau II. Embora o diamante estivesse protegido por um sólido vidro considerado inquebrável, este foi roubado em 1946 e só no ano seguinte viria a ser recuperado, estando hoje guardado no Banco Nacional por questões de segurança e no seu lugar apenas se podendo ver uma réplica.

Quem já passou por Havana recordar-se-á deste magnífico e belo edifício, um dos muitos locais obrigatórios para se deixar fotografar junto às suas colunatas ou esculturas exteriores, na própria escadaria ou nos jardins que o rodeiam, partindo daí para descobrir uma cidade repleta de história e de magia onde apetece sempre voltar.

(Celino Cunha Vieira - Cubainformación)



quinta-feira, 18 de junho de 2015


INICIATIVA PRIVADA

Se existem sectores na economia de cada país em que o controle estatal é fundamental, também existem áreas onde a iniciativa privada pode fazer mais e melhor, inovando e entrando num mercado competitivo onde só a qualidade pode levar ao êxito de cada negócio.

É assim que em Cuba, desde 2010, mais de 200 actividades foram liberalizadas e hoje já ultrapassam o meio milhão de cidadãos que aproveitando essas oportunidades passaram a exercer actividades por conta própria, deixando de depender do Estado. De salientar que destes, mais de 30% são jovens e que a tendência é para esta percentagem aumentar, pois a irreverência própria da idade está muito mais desperta para a vida e para o seu desenvolvimento e realização profissional, não se acomodando às rotinas que sempre estão inerentes a quem tem tudo sem grande esforço.

Abrem-se assim novos desafios e as oportunidades são imensas, contribuindo o sector privado para o crescimento do país e, muito importante, ajudar a equilibrar a balança de transacções, produzindo bens – principalmente alimentares – de modo a diminuir a necessidade de importações desses bens essenciais.

Com o incremento do turismo, da indústria e do comércio por parte de novas parcerias com investidores estrangeiros, espera-se que proximamente surjam outras oportunidades de emprego, aliviando progressivamente a carga salarial do sector público, que ao contrário do que se apregoava com a necessidade de a diminuir substancialmente, não teve de recorrer a despedimentos nem a retirada de salários.

Conseguir uma transformação na economia de um país sem grandes sobressaltos e continuando a garantir gratuitamente a todos os cidadãos os direitos consignados e conquistados pela Revolução tem sido uma tarefa árdua, mas que com tenacidade será vencida como foram todas as outras fases e contrariedades desde 1959, pois o futuro será certamente bem melhor que o passado, já que no presente as expectativas são muito auspiciosas com o fim do bloqueio económico, financeiro e comercial, obsoleto e criminoso.

Quem hoje visita Cuba vai entender as transformações que já se operaram e encontrar uma sociedade que aos poucos recupera o poder de compra perdido após o isolamento forçado devido ao desaparecimento do bloco socialista que levou Cuba a passar por um período especial muito duro e de enormes sacrifícios para todo o povo.

Felizmente que as novas gerações não sofreram o mesmo que os seus pais ou avós e hoje apenas têm esse conhecimento pelos relatos que lhes são transmitidos, podendo encarar o futuro com uma esperança bem diferente e muito mais risonha.

(Celino Cunha Vieira- Cubainformación)